Projetos de Pesquisa

Compartilhe essa notícia...
Share on Facebook
Facebook
Email this to someone
email
Tweet about this on Twitter
Twitter
Share on LinkedIn
Linkedin

Projeto: Chuveiro elétrico microcontrolado utilização de microcontrolador em chuveiro elétrico para aquisição de dados e controle

Orientador: Alison Fernando Marchioro

Bolsista: Eron Hill Menezes

Programa: PIIC/URI

Resumo: O objetivo geral para realizar esta pesquisa é desenvolver protótipo com a utilização de microcontrolador em um chuveiro elétrico, para obter dados, informações e gerenciar o consumo de energia elétrica e água. Para atingir este objetivo, será desenvolvido um protótipo com a utilização de microcontrolador em um chuveiro elétrico; será realizada a coletar os dados de tensão, corrente, potência, consumo de energia elétrica, tempo de banho, temperatura e vazão da água durante o funcionamento do chuveiro elétrico; serão disponibilizados os valores obtidos em tempo real ao usuário, monitorando o consumo mensal através de banco de dados e também disponibilizando em um aplicativo para dispositivo móvel com geração de informações gerenciais e gráficos de consumo, desta forma buscando conscientizar o usuário do gasto total do chuveiro durante o mês na conta de energia em que o mesmo possa fazer uma redução de seu consumo bem como o uso consciente da água utilizada, contribuindo para o uso mais eficiente e sustentável da energia elétrica e recursos hídricos. O desenvolvimento da pesquisa está estruturado em etapas. Cada etapa representa as ações que desenvolvidas para o alcance dos objetivos deste estudo e algumas etapas serão também subdivididas em fases. A proposta metodológica para esta pesquisa tem foco em desenvolver protótipo de potência, medições e controle, estes dois últimos através do uso de microcontrolador em um chuveiro comercial. O protótipo será construído através de práticas de montagens de equipamentos eletrônicos e eletrônica de potência. Também será realizado em conjunto pesquisa e revisão bibliográfica dos assuntos abordados neste trabalho e sobre os componentes utilizados. Também se pretende desenvolver linguagem de programação e o envio de dados para banco de dados e smartphone através de protocolo de comunicação.


Projeto: Efeito Subagudo do Exercício HIIT, MIIT sobre o Estresse Oxidativo e Lipemia Pós Prandial em Mulheres Pós Menopáusicas Submetidas à Refeição Hiperlipídica

Orientador: Bruno Costa Teixeira

Bolsista: Maria Vitória Fontela do Amaral

Programa: PIIC/URI

Resumo: Podemos citar doenças como osteoporose, doenças cardiovasculares, e atrofias do tecido genital como resultado da diminuição de estrogênio. A transição para a menopausa (Peri menopausa) além de contribuir para maiores concentrações de Triglicerídeos (TG), Lipoproteina de baixa densidade (LDL) e marcadores inflamatórios, também aumenta o excesso de EROS (Espécies reativas de oxigênio) podendo desencadear estresse oxidativo (OS) que resulta em danos a proteínas e lipídeos de membrana, lizando à estrutura de DNA e iniciando um processo inflamatório associado ao aparecimento de diversas doenças como aterosclerose. O treinamento intervalado aparenta aumentar a utilização de glicose circulante através da acentuação dos receptores de GLUT 4, diminuição do uso do glicogênio muscular armazenado e maior oxidação de gordura. O objetivo deste estudo é analisar o efeito subagudo dos exercícios intervalados de alta e moderada intensidade sobre as concentrações plasmáticas pós-prandiais de TG e OS em mulheres pósmenopáusicas. Após avaliações preliminares, as participantes serão agendadas para uma segunda visita onde realizarão os protocolos de exercício: Protocolo 1 (HIIT), Protocolo 2 (MIIT), Protocolo 3 (Controle) sorteados por software de computador. Logo farão uma refeição padrão. Na manhã seguinte após jejum de 12h serão realizadas coletas sanguíneas. Feita a primeira coleta a participante consumirá uma refeição hiperlipídica (RH) e após a refeição será realizada nova coleta de sangue no intervalo de 1, 2, 3, 4 e 5 horas pós RH. O protocolo HIIT deve ser mais efetivo na redução plasmática de TG e OS de mulheres pós-menopáusicas submetidas a RH, quando comparado com o protocolo MIIT.


Projeto: Percepção ambiental da comunidade acadêmica da URI – São Luiz Gonzaga

Orientador: Jean Lucas Poppe

Bolsista: Franco Morais Garay

Programa: PIIC/URI

Resumo: Um dos maiores desafios das sociedades contemporâneas é manter o desenvolvimento econômico sem causar prejuízos ambientais às atuais e futuras gerações. Para isso, existem diversos acordos internacionais firmados entre países em desenvolvimento, como o Brasil. Porém, a formação de recursos humanos representa um grande desafio para o sucesso das ações de desenvolvimento sustentável. Nesse contexto, o presente projeto tem como objetivo investigar os interesses e a preocupação da comunidade acadêmica (alunos, professores e funcionários) da URI-São Luiz Gonzaga com relação a assuntos voltados à Sustentabilidade e Conservação Ambiental, destacando elementos favoráveis e limitantes para o engajamento do público alvo nas temáticas ambientais. Será realizada uma análise investigativa por meio de um questionário contendo 14 questões objetivas com relação aos temas “Sustentabilidade”, “Empreendedorismo” e “Conservação Ambiental”. Espera-se destacar os pontos positivos e negativos associados à abordagem da temática “sustentabilidade” no contexto universitário, o interesse empreendedor e as expectativas da comunidade acadêmica com relação ao desenvolvimento sustentável, indicando o papel das redes sociais no processo de divulgação desta temática.


Projeto: Acessibilidade na URI-SLG

Orientador: Lizandra Andrade Nascimento

Bolsista: Tatiane Foleto Munareto

Programa: PIIC/URI

Resumo: As discussões a respeito da acessibilidade perpassam os debates sobre a educação contemporânea, sobretudo a partir da publicação de documentos significativos, tais como os Referenciais de Acessibilidade na Educação Superior e a Avaliação in Loco do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), de julho de 2013; o Programa Incluir: acessibilidade à Educação Superior (IFES – 2013); a Nota Técnica 385/2013; a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência – Lei 13.146/2015, que institui o Estatuto da Pessoa com Deficiência; e o Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação. A partir consolidação do Programa Institucional de Acessibilidade e Inclusão e dos Núcleos de Acessibilidade em cada campus da URI, temos observado avanços significativos na garantia de acesso e permanência dos indivíduos no Ensino Superior. Todavia, as normas de acessibilidade estão em constante renovação, a fim de atender às demandas contemporâneas. Por isso, a instituição necessita investir permanentemente em melhorias que propiciem acompanhar as transformações e as exigências legais. É necessário acompanhar as mudanças nas legislações, a exigências das visitas in loco para avaliação de cursos pelo MEC e as novas demandas que se impõem a cada novo semestre. Diante desse cenário, cabe indagar acerca da trajetória da URI – São Luiz Gonzaga no que tange à acessibilidade. Portanto, o problema central desta pesquisa relaciona-se com o acompanhamento das políticas de acessibilidade na URI-SLG, tendo em vista a sua efetivação. Assim, temos a seguinte formulação do problema de pesquisa: quais os avanços, impasses e desafios vivenciados pela URI – São Luiz Gonzaga no processo de implementação de ações e políticas de acessibilidade, buscando tornar-se um espaço-tempo acessível e democrático para a comunidade acadêmica?


Projeto: Consequências Psicológicas do Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes

Orientador: Lizandra Andrade Nascimento

Bolsista: Sarah Caroline Ferreira Sides

Programa: PIIC/URI

Resumo: Conforme dados da Childhood Brasil, entre 2011 e 2017, o Brasil teve um aumento de 83% nas notificações gerais de violências sexuais contra crianças e adolescentes. No período foram notificados 184.524 casos de violência sexual, sendo 58.037 (31,5%) contra crianças e 83.068 (45,0%) contra adolescentes. Dentre os casos registrados no Disque 100, no período de 2011 a 2017, 92% das crianças e adolescentes vítimas de violência eram do sexo feminino. Segundo o Ministério da Saúde, 85% das denúncias referem-se à violência contra meninas. Crianças e adolescentes negros representam a maioria das vítimas de violência sexual, atingindo cerca de 51% dos casos. Quanto à faixa etária, nos registros do Dique 100, 28% dos casos ocorrem entre os 12 e 14 anos; 22% entre 15 e 17 anos e 19% dos casos ocorrem entre 8 e 11 anos. Para o Ministério da Saúde, 40% do total de notificações de violência sexual contra crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, 21% dos casos vitimando crianças de 1 a 5 anos e 19% situações em que as vítimas são adolescentes de 15 a 19 anos. Diante desses dados, observamos a necessidade de ampliarmos os estudos a respeito do tema, compreendendo os fatores envolvidos no aumento significativo de casos de abuso sexual de crianças e adolescentes, bem como as consequências desses episódios no desenvolvimento das vítimas. Acreditamos que os profissionais da saúde precisam conhecer mais a fundo a temática para buscar estratégias que cooperem para a erradicação da violência e para a garantia da saúde e da qualidade de vida das crianças e adolescentes, de modo que possam se desenvolver de forma saudável. Dessa maneira, o projeto ora apresentado estrutura-se do seguinte modo:` Tema: Consequências do abuso sexual de crianças e adolescentes. Problema: Quais são os impactos do abuso no desenvolvimento infanto-juvenil? Como os profissionais da saúde podem contribuir para o enfrentamento da violência e para minimizar as consequências do abuso sexual de crianças e adolescentes? Hipóteses: O abuso sexual implica em severas consequências para o desenvolvimento infanto-juvenil, demandando intervenção dos profissionais da saúde junto às vítimas e suas famílias. Assim sendo, torna-se necessário ampliar o conhecimento a respeito da temática, buscando adequado subsídio para as ações de combate à violência e de suporte às vítimas e a seus familiares.


Projeto: Programa Educacional de Prevenção à Cervicalgia com Trabalhadores do Município de São Luiz Gonzaga/RS

Orientador: Tânia Regina Warpechowski

Bolsista: Jennifer Cristine Fano Felício

Programa: PIIC/URI

Resumo: A cervicalgia é a dor existente entre as vértebras cervicais, sendo que esta dor pode irradiar para a cabeça, braços e coluna, assim como para os tecidos musculares adjacentes. Ela também pode vir acompanhada de náuseas, tonturas, formigamentos na cervical e rigidez (BADARÓ, NICHELI, TURRA, 2015). Os trabalhadores e acadêmicos da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus São Luiz Gonzaga estarão educados para prevenir ou buscar tratamentos adequados para cervicalgia e aprenderão sobre a importância da ginástica laboral na qualidade de vida? Trata-se de um ensaio clínico não controlado e a aplicação de programas de prevenção à cervicalgia em meios acadêmicos e profissionais a fim de se evitar o entendimento de que a cervicalgia faz parte do dia a dia do trabalhador e proporcionar a estes sujeitos a oportunidade de conhecer as diversas áreas de atuação da fisioterapia para a prevenção e tratamento da cervicalgia.